Gestarmauriti's Blog

Manchete………… | junho 15, 2010

Escola Pública, ano 5.

(…)

Professora: Na semana passada, o trabalho foi feito em cima de quê?

Alunos: Manchete

Professora: Isso, manchete e… a gente ficou atento à manchete e ao olho da reportagem. Então hoje a gente vai ficar atento à inserção de vozes, a fala de alguém dentro da reportagem, sabendo que a reportagem não é a entrevista. Na reportagem, a gente tem resultados de entrevistas, depoimentos. Então, quando vocês estiverem lendo a reportagem hoje, vocês fiquem atentos a esses detalhes, certo? Então, eu vou ler uma reportagem pra vocês, que ela está dentro do suplemento infantil do jornal Folha de São Paulo. Foi editada no dia 22. 10. 05. O título é “Meninas X Meninos”.

(A professora realiza a leitura da reportagem Meninas X meninos).

Professora: Agora, a pergunta é: quem foi que falou sobre o quê? Quem foi capaz de guardar o que foi dito sobre esse assunto? Antes de mais nada, que assunto é essa reportagem?

Alunos: Diferenças entre meninos e meninas.

Professora: Diferenças entre meninos e meninas. E existem diferenças?

Aluno: Existem, muitas, porque os meninos é muito brigão, meninos tem preconceitos com meninas, meninas tem com meninos.

Professora: Menina tem preconceito com menino e menino tem preconceito com menina?

Aluno: Mas nessa história tem uma menina que consegue jogar bola com os meninos.

Aluno: Mas os dois grupos agem com preconceitos.

Professora: Os dois grupos agem com preconceito?

Aluno: As meninas tem preconceito com os meninos.

Professora: E os meninos, não?

Aluno: Ela não brinca com os meninos porque os meninos criticam elas e porque não agüentam as brincadeiras deles. E diz que menina não pode brincar de brincadeira de menino e aí eles pegam e já que elas não podem brincar com eles, também não podem brincar com elas.

Professora: O que é que vocês acham disso?

Alunos: Eu acho que é porque quando o menino brinca, aí machuca a menina e é uma confusão.

Professora: E menina não machuca menino, não?

Aluno: É porque, assim… Os dois…

Professora: E aí? Tem diferença: menino e menina?

Aluno: Tem. Tem menina que quando vê que tá perdendo, vai pra cima da pessoa. A gente brinca de vez em quando. Aí a gente vai pro campo jogar bola, aí a minha mãe vai pra cima e a mãe dele também, aí minha mãe me segura e diz que é pra jogar também, aí me derruba e me joga no chão, aí as meninas tome a fazer gol, tome a fazer gol. Aí quando eu pego a bola, eu empato tudinho. Aí começa a dá-lhe rasteira, jogar no chão.

Professora: E o que vocês acham disso?

Alunos: Que futebol doido é esse que segura um e joga no chão?

Alunos: Tem que saber se é ele que perdeu…

Professora: Agora, deixa eu perguntar uma coisa pra vocês em relação a essa reportagem. Vocês concordam ou discordam do que essas pessoas que deram depoimento aqui falaram?

Alunos: Eu discordo.

Professora: Discorda de quem e por quê?

Alunos: Eu discordo porque eles não devem viver brigando.

Professora: Presta atenção à pergunta: você discorda do que as pessoas que deram depoimento aqui falaram? Aí você concorda ou você discorda do que foi dito? Leio novamente?

Alunos: Eu discordo, porque diz aí que as meninas, os meninos, ficam fazendo… Aí eu acho que não deve fazer isso. Os meninos também tem que saber perder. Não ficar brigando.

Alunos: Não, mas tem algumas meninas que são muito impliconas também. Peraí, nem tem tanta santinha, santinha assim, não.

Alunos: Eles colocam os negócios aí pra quem lê não fique desunido pra menina não reclamar com menino e o menino não reclamar com a menina e não ficar brigando um com outro.

Professora: Você pensa que essa reportagem foi escrita com o objetivo de levar as crianças a refletir sobre atitudes delas na hora da brincadeira? (…) Alguém pensa diferente? Vocês concordam com Amanda?

Alunos: Concordo, concordo.

Professora: Ok. É… Ficou aqui bem enfatizado que as meninas quando perdem vão bater nos meninos.

Alunos: É… Dá tapa nas costas, puxa o cabelo, dá chute, dá murro.

Alunos: Mas, as meninas… Teve umas meninas que disse que quando perde até canta uma musiquinha.

Alunos: Isso aí já é pra provocar.

Professora: Ah… Isso já é pra provocar.

Alunos: Éeee.

Alunos: Teve um dia que a gente tava na quadra, meninos contra meninas. Aí a gente fez gol, aí as meninas começaram a reclamar, aí deu um carrinho na pessoa deu-lhe chute.

Alunos: As meninas também não ficavam paradas, aí começava a briga.

Professora: Agora, deixa eu perguntar uma coisa: por que quando começou a partida não misturou menino e menina?

Alunos: Sei lá, porque deixaram meninos contra meninas.

Alunos: Oh tia, agora… Quando os meninos e as meninas jogarem bola, assim também tem que saber perder, porque depois, por exemplo, os meninos tem que saber perder o jogo. Não é sempre que a pessoa ganha, não.

Professora: Olhe, eu não queria que a gente fugisse da reportagem. A reportagem diz aqui que tem o grupinho do futebol e o grupinho da panelinha. Por que isso?

Alunos: Porque as meninas gostam de brincar com comidinha e os meninos gostam de brincar de futebol.

Professora: E é isso mesmo que acontece na realidade?

Alunos: É não. É porque as meninas gostam de brincar de boneca e os meninos gostam de correr.

Professora: Licença. Todos os meninos gostam de futebol?

Alunos: Não, nem todos

Professora: Todas as meninas gostam de panelinha?

Alunos: Não.

Alunos: Na minha rua, professora, os meninos tavam conversando com as meninas, tudo tranqüilo… De repente, os meninos ficavam arretando as meninas, ficavam dando murro pra cá e ficavam um jogando pedra no outro, vum,vum, vum. Aí, minha mãe me chamou pra tomar banho, aí quando eu fui, aí a menina jogou uma pedra e bateu na cabeça do meu irmão, aí eu disse: vem embora. Dei uma pisa nele e pronto.

(…)

Professora: Agora eu vou ler… Agora essa reportagem também foi impressa no suplemento infantil do jornal Folha de São Paulo, sábado 18.11.2006, escrita por Patrícia Trucs da Veiga, Gabriela Romeu.  A manchete: Preconceito, risque essa palavra do seu dicionário.

A professora realizou a leitura da reportagem “Preconceito: risque essa palavra do seu dicionário”

Professora: De que tema fala essa reportagem?

Alunos: O racismo

Professora: O racismo?  

Alunos: O racismo com os negros.

Professora: Quem foram as pessoas entrevistadas?

Alunos: Dizem os nomes das crianças.

Professora: Quem lembra o que cada um falou?

Alunos: Jéssica falou que o menino não queria sentar perto dela porque era negra e iria tingir ele.

Professora: O que Jéssica disse?

Alunos: Que o menino tinha que sentar perto dela. Aí ela sentava perto dele e ele cuspia e dava beliscão nela.

Professora: O menino não queria que ela sentasse perto dele, por quê?

Alunos: Não tingir ele. A outra, o menino chamava ela de bruxa por causa do cabelo dela.

Professora: Era um menino que dizia isso ou eram os meninos?

Alunos: Os meninos apelidavam ela de bruxa.

Professora: E o que Marco disse?

Alunos: Tiravam onda, e chamavam de Macaco Aurélio. Samuel disse que o colega dele disse pra ele sair da brincadeira porque ele era negro e ele ficou calado. Se fosse eu, tomava umas providências.

Professora: Que providências?

Alunos: Dá-lhe um pau. Eu chamava a ROCAM, meu véi.

Professora: Ok, vocês lembram de mais alguém?

Alunos: Não, lembro não.

Professora: Ok, então as perguntas aqui sobre o que o texto trata?

Alunos: O preconceito.

Professora: E quem são as pessoas? No depoimento, o que foi dito?

(Os alunos dizem os nomes e lêem o que aconteceu com cada um).

Professora: (…) Foram trazidas falas de depoimentos de pessoas sobre esse assunto. Aí eu pergunto a vocês agora. Isso aqui é a inserção das vozes na reportagem?

Alunos: Não.

Professora: Isso é o quê?

Alunos: Um relato.

Professora: Apenas isso? A gente pode considerar uma reportagem?

Alunos: Não, isso é metade entrevista, metade relato.

Professora: Agora, a inserção dessas vozes, ela é importante dentro da reportagem?

Alunos: É.

Professora: Por quê?

Alunos: Porque fala a pessoa que pode dizer, por exemplo, o que aconteceu com a senhora.

Professora: E o que a fala de alguém dentro da reportagem vai contribuir para reportagem? Qual é a contribuição dessa inserção de voz na reportagem?

Alunos: Vai dizer o que aconteceu e que a senhora mesma vai contar.

Professora: Vocês concordam com ela?

Aluno: Eu entendo que nessas falas aí, que no texto tá dizendo como fosse assim, ele tava procurando as pessoas que foram atingidas pelo preconceito e o racismo. Aí, pra dar na reportagem e pra completar a entrevista.

Professora: Olha a fala dele, ele está dizendo que os depoimentos completam a reportagem. Vocês concordam com isso?

Aluno: Concordo.

Professora: Então, quer dizer que essa inserção de vozes dentro da reportagem, a gente pode dizer que ela tem esses dois papéis: uma de dar legitimidade ao assunto e outra de dar uma contribuição para ilustrar a reportagem, aquele tema que tá sendo abordado? Sim ou não?

Aluno: Procurando as pessoas que foram atingidas e pela entrevista que completa o assunto.

(…)

Anúncios

Publicado em Uncategorized

Deixe um comentário »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

About author

The author does not say much about himself

Pesquisar

Navegação

Categorias:

Links:

Archives:

Feeds

%d blogueiros gostam disto: